Jacques Chirac disse não três vezes. Negou um terceiro mandato, disse não ao extremismo e, apesar de não ter citado o nome de Nicolas Sarkozy, deixou claro que talvez não apoiasse o candidato da UMP. Na verdade, Chirac disse que iria expressar “mais tarde” as suas preferências para as eleições, deixando tudo em aberto para os proximos meses.
O pronunciamento de Jacques Chirac foi acompanhado por cerca de 22 milhões de franceses na noite do passado domingo. Foi mais uma pagina de um dos ultimos capitulos do chefe de Estado no poder.
Enquanto isso, a intenções de voto continuam equilibradas entre Nicolas Sarkozy e Ségolène Royal. Ao que tudo indica, o apoio de François Bayrou na segunda volta pode ser decisivo para a decisão francesa.